quarta-feira, 21 de abril de 2010

Esses franceses...

.
Há muito tempo, assisti a um programa em que o padeiro Olivier Anquier (e que padeiro...) preparava um pão chamado banette. Na verdade, é a mesma massa da tradicional baguette francesa, só que moldada mais curta, com o centro largo e as pontas bem fininhas. A propósito, a partir dela preparam-se também a ficelle, a flûte, o bâtard etc.
.
Nunca tinha me atrevido a prepará-la antes por causa do meu forno. Mas, se fosse esperar até comprar um forno profissional, eu não teria saboreado hoje um dos melhores pães que eu já fiz. De fato, a casca não ficou espessa e perdeu a textura crocante com rapidez – o que eu já esperava. Embora consistentes, os pães não ficaram pesados. A massa é de uma simplicidade só e seu aroma e sabor são indescritíveis... Aliás, meu professor de francês não se cansa de repetir que a culinária do seu país não tem mistério nenhum. Basta escolher ingredientes frescos e de excelente qualidade et voilà!
.
Ingredientes
½ kg de farinha de trigo
1 colher (chá) de sal
15 g de fermento biológico ou 1 colher (sobremesa) de fermento seco
300 ml de água gelada

Modo de fazer
Se for utilizar o fermento seco (como eu fiz), misture-o na farinha de trigo e, depois, acrescente o sal. Faça uma cova no centro e vá despejando a água e agregando a farinha aos poucos. Trabalhe a massa até ficar elástica e desprendendo facilmente das mãos. Sove por alguns minutos, forme uma bola e deixe-a descansar coberta com um pano úmido por 20 minutos. Corte-a em dois ou mais pedaços (cada pedaço dará um pão) e deixe-os descansar por mais 20 minutos.

Numa superfície ligeiramente enfarinhada, modele os pães no formato desejado. Em seguida, transfira-os para uma assadeira e deixe-os crescer cobertos por 90 minutos.

Pré-aqueça o forno a 250°C. Quando estiver bem quente, faça cortes transversais leves nos pães já crescidos, despeje 1/2 copo de água na placa inferior do forno para que o vapor lhes dê brilho e asse-os por cerca de 20 minutos.
.
Quem tiver e tentar assá-los no forno à lenha, me diga como ficaram. Ou melhor, me convide para um pedaço. (rs) Levo manteiga francesa Président – La Motte.

*Como a massa não leva açúcar e tem pouco sal, combina com qualquer acompanhamento. Na última foto, geléia St. Dalfour feita com laranjinhas kinkan. Soberba.
.

6 comentários:

Glau disse...

Andréa, eu tbém estou numa fase de fazer pão... tenho usado o forno convencional mesmo! :)

Hj vou colocar uma receitinha no blog!

Beijos, Glau
Ps: aquele comercial do Atala realmente... tá de brincadeira

Andréa disse...

Oba! Depois vou lá conferir.
Um beijo,
Andréa.

Carlinha disse...

Adorei!
Vou tentar fazer no forno a lenha!

beijinhos

Solange Belém disse...

Andréa, que delícia, pão fresquinho é sempre bom!!!!!!!!!!
Um abraço

Sol

CLAUDIA disse...

Hoje mesmo vou fazer! o segredo desse pão, se ainda não sabe é o tempo de fermentação e a aeração em cada vez que se trabalha a massa.Ele fica suave e leve, e é tão simples, né?No meu blog eu postei uma receita de lazanha caseira e hoije postarei a do pão integral que faço quase todo dia.Se quizer dar uma passadinha.Parabéns pelo seu saboroso blog, já foi para os meus favoritos.Um abraço. evolucaoemdoismundos.blogspot.com

A Casca da Cigarra disse...

Senti até o aroma...